Oradores

Prémio Nobel da Química em 2016

Northwestern University

Sir Fraser Stoddart licenciou-se em 1964 na University of Edinburgh, doutorou-se em 1966 pela mesma instituição e tirou um pós-doutoramento na Queen’s University in Kingston. Esteve também presente na Universidade de Sheffield, na Imperial Chemical Industries, na Universidade de Birmingham, na Universidade da Califórnia e na Northwestern University.

Atualmente, é Professor do Conselho de Administração da Northwestern University. É Fellow da Royal Society de Londres, Honorary Fellow da Royal Society de Edimburgo, membro da American Academy of Arts and Sciences, da National Academy of Sciences, da National Academy of Inventors e membro estrangeiro da Chinese Academy of Sciences.

Nas últimas décadas, foi mentor de mais de 500 alunos de 50 países diferentes e em 2007, foi eleito pela Rainha Isabel II Cavaleiro Bacharel pelo seu contributo à química e nanotecnologia molecular.

Durante a sua carreira recebeu várias distinções que incluem o Prémio King Faisal International da Ciência em 2007, o Prémio Einstein World Award of Science em 2007, a Royal Medal em 2010 e o tão aclamado Prémio Nobel da Química em 2016. Recebeu este prémio em conjunto com Jean-Pierre Sauvage e Bernard Feringa, pelo design e pela produção de máquinas moleculares, ou seja, pelo desenvolvimento de moléculas com movimentos controláveis, executando tarefas quando lhes é fornecida energia.


Norman Heatley Award 2021

King’s College London

Manuel Müller estudou química no Swiss Federal Institute of Technology em Zurique, tendo completado o doutoramento em Engenharia de Proteínas e Evolução na mesma instituição. Realizou o seu pós-doutoramento no laboratório Muir em Princeton e no qual desenvolveu a aplicou ferramentas de química biológica para estudar enzimas modificadoras da cromatina.

Desde 2016 tem uma bolsa Sir Henry Dale, e é coordenador de um grupo de investigação no Departamento de Química do King’s College London. Em 2021, ganhou o Norman Heatley Award da Royal Society of Chemistry para melhor cientista em início de carreira na interface Química Biologia.

Os seus interesses incidem no uso da química biológica para revelar quando, onde e como as modificações da estrutura proteica contribuem na regulação biológica, e no desenvolvimento de plataformas proteómicas que descubram modificações nas proteínas e que ainda não foram caracterizadas.


Professor Catedrático

Universidade de Aveiro

João Mano doutorou-se, em 1996, em Química pela Universidade Técnica de Lisboa e tornou-se D.Sc em Engenharia de Tecidos, Medicina Regenerativa e Células Estaminais em 2012, na Universidade do Minho. Atualmente, é professor no departamento de química da Universidade de Aveiro (UA), ministrando aulas relacionadas com a ciência e tecnologia dos biomateriais, engenharia de tecidos e a química física de polímeros e materiais.

Desde 2014 é professor convidado na Universidade de Lorena e em 2019, foi professor visitante na KAIST (Coreia do Sul). É ainda diretor do mestrado e doutoramento em Biotecnologia da UA e diretor do grupo de investigação COMPASS, na mesma instituição. É editor chefe da revista Materials Today Bio, faz parte de várias sociedades científicas, conselhos editoriais de revistas internacionais, coordena vários projetos de investigação europeus e organiza eventos científicos nas áreas de polímeros/ciência dos materiais e de biomateriais/engenharia dos tecidos.

Durante a sua carreia tem recebido várias distinções como Fellow da IUPAC desde 2004, o Prémio de Ciência e Tecnologia de Materiais atribuído pela Federação das Sociedades Europeias de Materiais em 2007, o Prémio BES Inovação em 2010, o George Winter 2020 award, o Prémio Luso-Espanhol de Química em 2021, entre outros. É autor de mais de 620 artigos em revistas internacionais, 40 capítulos, 6 patentes, está presente na revisão de inúmeros manuscritos e projetos em vários países.

Os seus interesses incidem no uso de biomateriais e células para o desenvolvimento de conceitos transdisciplinares destinados à utilização na medicina regenerativa e personalizada, através da implementação de biomiméticos e tecnologia nano/micro.


Professor Catedrático

Universidade de Coimbra

Luís G. Arnaut licenciou-se em Química, em 1983, pela Universidade de Coimbra (UC) e doutorou-se em Química, em 1988, pela mesma universidade. Realizou, a convite, um pós-doutoramento na Universidade do Texas.

Atualmente, é professor no Departamento de Química e coordenador do mestrado e doutoramento em Química Medicinal na UC. É diretor do Coimbra LaserLab, membro da infraestrutura de investigação europeia LaserLab Europe, Presidente da International Photodynamic Association, sócio fundador da Luzitin SA e da LaserLeap SA, e responsável pelo grupo de investigação de Fotomedicina e Reatividade do Centro de Química de Coimbra.

Autor de mais de 150 artigos, 14 capítulos, 4 livros e 8 patentes, estando 5 licenciadas para a Pharma/Biotec. Presente em inúmeras comunicações orais, palestras nacionais e internacionais, bem como vários projetos de investigação.

Durante a sua carreira tem recebido várias distinções como o Prémio Gulbenkian de Ciência em 1994, o Prémio BES Inovação em 2008, o Prémio AVDRI-Santander em 2010, o Prémio ALTEC em 2016, entre outros.

Os seus interesses incidem sobre a reatividade química, na fotoacústica, e nos mecanismos da terapia fotodinâmica.


Professor Catedrático

Instituto Superior Técnico

Mário Berberan Santos licenciou-se em 1984 em Engenharia Química, no ramo de Química e Processos, pelo Instituto Superior Técnico (IST) e doutorou-se em 1989 pela mesma instituição. Fez um pós-doutoramento em 1990 na Unité de Physico-Chimie Organique Appliquée do Conservatoire National des Arts et Métiers e no Laboratoire pour l’Utilisation du Rayonnement Elotromagnitique, em Paris.

Foi Professor Catedrático Convidado da École Normale Supéricure de Cachan e atualmente é Professor Catedrático de Físico-Química, Materiais e Nanociências no IST.

É membro do Permanent Steering Committee das Conferências MAF e da International Academy of Mathematical Chemistry. Em 2001 começou o seu percurso na Sociedade Portuguesa de Química como secretário-geral e em 2010, tornou-se presidente, cargo que desempenhou até 2013. Foi, também, membro dos corpos editoriais de revistas como a ChemPhysChem e da ChemPhotoChem.

Durante a sua carreira tem recebido várias distinções como Fellow da Royal Society of Chemistry, Fellow da Chemistry Europe, Prémio Ferreira da Silva (atribuído pela Sociedade Portuguesa de Química) em 2020 e o Prémio de “Estímulo à Excelência” da Fundação para a Ciência e Tecnologia.

Os interesses científicos incidem em especial sobre a luminescência de fulerenos e de sistemas nanoestruturados em geral, e sobre a dinâmica de processos envolvendo estados electrónicos excitados.


Professora Auxiliar com Agregação

NOVA School of Science and Technology | FCT NOVA

Maria Manuel Marques licenciou-se em Química em 1995 pela Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa (FCT-UNL), doutorou-se em Química Orgânica em 2001 pela mesma instituição e tirou um pós-doutoramento em Química em 2003, no Instituto de Química Orgânica da Universidade de Viena. Em 2003 tornou-se investigadora assistente no laboratório REQUIMTE, entre 2004 e 2018 foi Professora Auxiliar Convidada na FCT-UNL e em 2018 tornou-se Professora Auxiliar com Agregação, na mesma instituição, ministrando aulas de Química Orgânica, Química Medicinal, Síntese Sustentável e Catálise.

Em 2006 iniciou a sua carreira como investigadora independente na FCT-UNL, seguindo a linha da Síntese Orgânica e Química Biológica.

É autora de 48 artigos, 3 capítulos, tem participado em várias palestras nacionais e internacionais e supervisionado alunos de mestrado, doutoramento e pós-doutoramento.

Os seus interesses focam-se na interface entre a Química e a Biologia, em particular no desenvolvimento de novas metodologias sintéticas sustentáveis, reações catalisadas por metais para a síntese e funcionalização de compostos bioativos.


Professor Auxiliar

Universidade de Coimbra

Marta Piñeiro licenciou-se em 1996 em Química pela Universidade de Santiago de Compostela e doutorou-se, em 2002, em Química pela Universidade de Coimbra (UC).

Entre 2000 e 2002 foi Assistente Convidada na UC, tornando-se Assistente até 2005. Desde então, é Professora Auxiliar. Atualmente coordena a licenciatura em Química Medicinal do Departamento de Química da Faculdade de Ciências e Tecnologia da UC. Para além disto, integra o grupo de investigação de Química Orgânica do Centro de Química de Coimbra.

É autora de mais de 80 artigos, 3 livros, 5 capítulos e 3 patentes. Tem realizado comunicações orais nacionais e internacionais, participa na organização de eventos científicos, é revisora em revistas internacionais e orienta e coorienta alunos de licenciatura, mestrado e doutoramento.

Os seus interesses focam-se na Química Orgânica, Química Verde, no desenvolvimento de processos de síntese sustentáveis e síntese de heterocíclos.


Professor Auxiliar

Universidade de Coimbra

Filipe Antunes licenciou-se em química industrial em 2001, pela Universidade de Coimbra (UC) e doutorou-se em química de macromoléculas em 20016, pela mesma instituição.

Foi monitor em 2011, entre 2010 e 2015 foi professor auxiliar convidado e desde 2019 é professor auxiliar na UC. Tem lecionado noutras universidades internacionais. É coordenador do grupo de investigação Colloides and Innovative Nanomaterials Group (COLLING) e fundador da startup da UC – EcoXperience. Desenvolveu trabalho como investigador na Procter and Gamble CO (EUA), na Università degli Studi di Roma La Sapienza (Roma) e na Universidade Estadual Paulista Júlio Mesquita Filho (Brasil).

É autor de 65 artigos, 3 capítulos, 4 patentes e 7 pedidos provisórios de patentes. Tem realizado comunicações orais nacionais e internacionais, fez parte da organização de vários eventos e orientado e coorientado alunos de mestrado e doutoramento. Deu várias entrevistas a jornais, revistas, rádios nacionais e programas de televisão. É árbitro científico em várias revistas (Elsevier, American Chemical Society, entre outras) e, desde 2018, é consultor do Center for Food Education and Research (CFER).

Ao longo da sua carreira tem recebido distinções como o Prémio Sousa Gomes (2002), o Prémio Investigação de Excelência (2014) e ganho concursos nacionais e internacionais. Em 2017, foi finalista na categoria “Investigação e Desenvolvimento” com o projeto EcoXperience.

Os seus interesses baseiam-se na química industrial e de coloides.


Professor Auxiliar

Universidade de Coimbra

Paula Monsanto licenciou-se em Química pela Universidade de Coimbra (UC) e concluiu o mestrado em Química, especialização em Química Orgânica, pela mesma instituição.

Realizou um estágio, aquando do seu mestrado, em 1993, no Departamento de Química da Universidade de Liverpool e entre 1989 e 1991 colaborou como monitora no apoio às aulas práticas de química orgânica III no DQ-FCTUC. Tem colaborado em atividades letivas a alunos de licenciatura e mestrado no âmbito da sua atividade no Instituto Nacional de Medicina Legal e Ciências Forenses (INMLCF), bem como na orientação de visitas à mesma instituição.

Iniciou a sua carreira no INMLCF em 1992 como estagiária para ingresso na carreira de técnico superior de medicina legal, tendo nos últimos anos exercido outras funções como a de diretora do Serviço de Toxicologia Forense da Delegação de Coimbra do INMLCF entre 2004 e 2008, e de coordenadora da Unidade Funcional do Serviço de Química e Toxicologia Forenses da DC do INMLCF (SQTF-DC) entre 2016 e 2019.

Atualmente, é responsável pela coordenação da equipa de imunoensaios enzimáticos e pela realização de análises de rotina e gestão de consumíveis a nível nacional. Colabora com a equipa de espectrofotometria na realização de procedimentos para a determinação de carboxihemoglobina e é, desde setembro de 2021, responsável da qualidade para a certificação do SQTF-DC.

Mesa Redonda – “A Importância de Comunicar Ciência”

Carlos Fiolhais licenciou-se em 1978 em Física pela Universidade de Coimbra (UC) e doutorou-se, em 1982, em Física Teórica pela Universidade de Goethe, Frankfurt. Em 1983 iniciou a sua carreira como Professor Auxiliar na UC e no período de 2000 até 2021 exerceu funções, na mesma instituição, como Professor Catedrático. Foi, ainda, Professor Convidado em universidades do Brasil e dos Estados Unidos da América.

É autor de mais de 60 livros, centenas de artigos e coautor do artigo com mais citações em Portugal. É colunista do Jornal Público, do Jornal das Letras e de As Artes entre as Letras, e diretor do Rómulo – Centro de Ciência Viva da UC e da coleção “Ciência Aberta” da editora Gradiva. Foi diretor da Biblioteca Geral da UC, coordenador da área do conhecimento da Fundação Francisco Manuel dos Santos e de vários alunos de mestrado e doutoramento, bem como de projetos de investigação. Tem participado em várias conferências, colóquios e TEDx Talks (2018 – TEDx Aveiro, 2021 – TEDx Universidade de Coimbra).

Durante a sua carreira tem ganho várias distinções como o Prémio José Mariano Gago da Sociedade Portuguesa de Autores (2018), o Prémio Ciência Viva-Montepio (2017), o Prémio BBVA pela Royal Spanish Physics Society (2012), o Globo de Ouro de Mérito e Excelência na Ciência pela SIC (2005), o Grau de Grande Oficial da Ordem Infante D.Henrique (2005), entre outros.

Os seus interesses centram-se na física computacional da matéria condensada e no ensino e história das ciências.


João Paiva licenciou-se em 1989 em Química no ramo educacional pela Universidade de Coimbra, em 1994 concluiu o mestrado em Ensino da Física e da Química, na mesma instituição, e em 2000 doutorou-se em Química pela Universidade de Aveiro. No ano de 1991, realizou uma pós-graduação em Ensino da Física e da Química. Em 2001 tornou-se Professor Auxiliar na Universidade do Porto (UP). Desde 2015, é Professor Associado com Agregação (em Didática) no Departamento de Química e Bioquímica e membro da unidade de ensino das ciências na Faculdade de Ciências da UP. É coordenador do grupo de investigação de “Educação, Comunicação de Ciência e Sociedade” do Centro de Investigação em Química da UP.

É autor de cerca de 30 livros, dos quais 20 são manuais escolares, e de inúmeros artigos. Tem realizado revisões de livros, comunicações orais nacionais e internacionais, organizado vários inventos científicos e foi orientador e coorientador de alunos de mestrado e doutoramento. Nos anos de 2010 e 2012, recebeu menções de honra no concurso de recursos digitais do portal “Casa das Ciências”.

Os seus interesses situam-se na relação das ciências com outras áreas do saber, nomeadamente a poesia, a filosofia, a religião, a divulgação, a sociologia e a educação.


Pedro Simas licenciou-se em Medicina Veterinária pela Faculdade de Medicina Veterinária da Universidade de Lisboa, em 1991 terminou o mestrado em Biotecnologia na Universidade de Newcastle e doutorou-se, em 1994, em Virologia no Departamento de Patologia da Universidade de Cambridge. Foi Professor Associado entre 2013 e 2021 na Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa e desde 2019 é Professor Associado na Universidade Católica Portuguesa. É também investigador coordenador na mesma instituição. É líder do Instituto de Medicina Molecular e diretor científico do Biotério da Universidade de Lisboa.

A longo da sua carreira tem recebido várias bolsas de investigação e feito de parte de inúmeros projetos, sendo responsável atualmente pelo “Genetic and Biochemical Studies of KSHV LANA” e “KSHV latency regulation”.

Os seus interesses integram conceitos como regulação genética, imunologia, patologia, sinapse imunológica, entre outros. Durante os últimos anos foi presença assídua nos ecrãs das nossas televisões, a propósito da pandemia de COVID-19, ajudando a fazer a ponte entre a ciência e a população.


Liliana Oliveira é vogal do Conselho Fiscal da SciComPt – Rede de Comunicação de Ciência e Tecnologia de Portugal.

Assessora de comunicação no Gabinete do Reitor da Universidade de Aveiro e investigadora doutorada no Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade da Universidade do Minho, tem formação em Jornalismo, Comunicação Institucional e Estudos Sociais da Ciência e Tecnologia.

Em 2015, concluiu o Doutoramento em Ciências da Comunicação/Estudos Sociais de Ciência e Tecnologia (Universidade do Minho / Universidade de Salamanca).

É autora do livro “As universidades e a participação pública em ciência” (2021). Integra a equipa de coordenação, produção e supervisão editorial do programa de divulgação científica “UAU – Ciência sem Limites” (2021/22), tendo sido coordenadora executiva do projeto de comunicação de ciência “A UA explica” (2017-2018).


Bernardo Albuquerque Nogueira licenciou-se em 2013 em Química Medicinal e 2014 em Química. Concluiu o mestrado em 2016 em Química, na área de especialização de Química Avançada e Industrial, e no final de 2017 iniciou o seu doutoramento em Química, na Universidade de Coimbra (UC), contando com uma passagem pelo Politecnico di Milano como investigador convidado.

Ocupou vários cargos em associações estudantis e juvenis, foi fundador e CEO da Molecular JE, Júnior Empresa do Departamento de Química da UC (2017-2021) e fundou a primeira escola pré-universitária de Química – a Escola Molecular, em 2019. É autor e coautor de mais de 20 artigos e de 1 capítulo de livro.

Os seus interesses incidem na espetroscopia molecular e no polimorfismo de cor, bem como na área da divulgação de ciência, realizando palestras em escolas do ensino básico e secundário com regularidade.